terça-feira, 21 de julho de 2009

Mundo descobrir, ele sucumbir, quase por gostar, todos à vagar !!!


O mundo está ficando pequeno pra ele
e olha que ele ainda nem saiu do seu lugar
O mundo está ficando confuso sem ele
mesmo não sabendo qual atitude tomar
O mundo está virando um celeiro de estranhos
mesmo sendo querido, nas bocas por falar
O mundo está gritando seu nome por inteiro
e ele está tentando, seguir sem se apressar
O mundo escondendo oportunidades desejáveis
e ele sem saber, ainda no vício de pensar
Um mundo com tanta gente, brotando fantasias
e ele só driblando, a dor de não amar
No mundo onde a dor, assola a maioria
e ele interpretando, por que Nietzsche foi chorar ?
É neste mundo que talvez lhe suceda conquistas
se num momento certeiro, ele cansar de duvidar
Pois de certezas o mundo não lhe deu muita coisa
e seus anseios, foi o que lhe restou para assombrar
numa batalha onde conhecer o mundo não basta
se conhecer, continua sendo a melhor forma de lutar
O mundo fez com que ele parasse, e fizesse
e ele na vontade, só queria fazer parar
O mundo não estava cego, era ele mesmo que tava sozinho
e com sua criativa muleta, tentou algo caminhar
Neste mundo de tropeços, obstáculos não são só diversos
e num ritmo meio estranho, ele escolheu não só pular
Mesmo que no sábado, o mundo coma sua pizza
no arroz do dia a dia, ele não aprendeu a temperar
No frigir dos hemisférios, ele não é parte integrante
ele aparece no imaginário, quando se precisa complementar
Mentiras, devaneios, sabotagens, sem sossego
na parte da loucura, na medida, por controlar
Num pedaço deste mundo, qualquer palco gera cena
e ele retraído, com o poder por atuar
Dores, sofrimentos, um mundo de isolamento
e ele no subterfúgio, tentando sua prova expiar
Enquanto as descobertas, causa no mundo, devastação
ele quer apenas um lugar pra poder retornar
No mundo de presente, e o futuro de imensidão
ele quer lembrar quem foi, e mesmo assim gostar
Se são amores e paixões que causam no mundo, emoção
e ele quer apenas um amigo, para poder conversar
No mundo que guarda planos, pra quem sucesso concretiza
ele tem o plano B, para nos escombros passear
Pois o mundo permite poucos sonhos, só pra quem ousa gritar
e ele briga com quase tudo, transforma o que resta, para conseguir respirar
O mundo afinal pergunta, ele mesmo, quem é ?
falar quem sou, ainda não posso, sou um segredo por revelar
“... este é meu segredo, a raiz da raiz, o broto do broto, o céu acima dos céus, o verdadeiro prodígio que mantém as estrelas à distância, sem o qual a alma não pode flutuar, pelo qual, a mente nunca vai se esconder, afinal, o que quero, é o seu coração comigo, e só sou, quando carrego o seu coração no meu ...”

7 comentários:

Pedro Antônio disse...

Obrigado pela amizade!

E tem mais: todo dia é dia do amigo, não é mesmo!?

Um abração forte! Até! :]

Pedro Antônio

30 e poucos anos. disse...

Todos a vager em busca de um "algo".
Belo texto

Danilo Castro disse...

"(não costumo entender tanto assim das coisas que escrevo, mas como costumo inverter a teoria com a prática, entendo muitíssimo mais, depois de escrevê-las)"

Eu me sinto assim quando escrevo.
Só nunca soube como expressar isso em letras.


Abraço!

O Iluminado disse...

Ele parece ser um tipo de Deus ou até mesmo a própria consiência...
belo poema amigo!
abração!
e valeu a visita! =D

Max Psycho disse...

ae mermão grato pela visita, e achei bem interessante este texto, algumas partes da até pra se sentir no lugar Dele

Vinícius de R. Rodovalho disse...

Gostei do poema. Pensar nessas relações misteriosas entre o indivíduo e o todo, bem como em o que é o indivíduo e o que é o todo, pode ser algo muito interessante. Refletir é a melhor maneira de descobrir, nem que seja por parte, "um segredo por revelar".

Ótimo poema!

Marcelo A. disse...

Belo poema! Concordo com o Vinícius aí em cima. Refletindo e revelando os segredos a revelar...

Abração!

Marcelo
www.marcelo-antunes.blogspot.com