terça-feira, 30 de junho de 2009

Apenas a insistência em estar aprendendo, apenas gozando da liberdade de seguir, mesmo não se conhecendo !!!

Sim, eu tenho este vício, não encaro ele como tal, não sei se concordo também com quem diz que é normal, mas parece que sua implantação numa rotina que tenta se estabelecer ainda indefinida, é algo vital.

Você resolve se incluir nesta fuga, não conhece o tanto que esta energia te toma e te suga, cresce, inverte, transforma e mistura, se o processo fosse instantâneo, talvez seria instintivo, e se ainda não pareço manco, é que por horas consigo dar ouvido, a inteligência que impera, a vontade que é substituta, o sentimento que não cura, o dia que não se eleva.

Triste demais chamar de sofrimento, ridículo demais dizer que passa com o tempo, sacrifício desnecessário encarar como tormento, são só a reunião de segundos que chora, os minutos que gritam, as horas que recusam demora, só olha, não se considera, vitória, não é o que interessa, chega mais perto, faça o que é certo, dorme enquanto pode, se for o caso, só acorde, enxergue, coce, cuspa, sente-se ... olhe a data, abra a agenda, assine qualquer ata, faça uma emenda, leia seus informes, decore outros nomes, finja o absoluto, se na vida nem tudo se pode ter, do que adianta o querer, por que se traça tanta luta ?

“Garcia abriu a janela, olhou e aceitou a lua, da forma como era, não estava linda, mas estava singela, afinal ele não tinha muita escolha, com o céu nublado, ou era o espelho, ou era ela, ele esticou o braço, e acenou docemente, sorriu mesmo não estando tão contente, disfarçou um pouco, com medo que alguém ironizasse este fato que estava se desenrolando tão suavemente, ele chorou um pouco, porque a lua estava muda, ele chorou de novo, porque em poucos segundos ela também ficou escura, mas este sonho acabou, lhe puxaram pela bermuda, a sua hora de sol havia acabado, não importa agora nem o que poderia ser lamentado, em passos largos mas sem pressa, ele já estava enjaulado, e rapidamente dormiu, pra tentar ver agora se a nuvem destampou as estrelas, se de tantas ele poderia namorar alguma, se a lua aprovaria esta união, e se sua vida poderia enfim, ser mais de uma.”

Você que anda por essa calçada torta, você que cruza olhares e não se importa, você que conhece faces mas não semblantes, faz tantas coisas lucrativas, sem se precaver que também sejam brilhantes, calma, estou aqui pra respeitar a tua ignorância, pedir que tente entender um pouco da minha esperança, só sou um protegido daquele que se encontra numa sela, onde quase nada se alcança, abandonado pela pouca imaginação que às vezes falha, mas ainda se cria, superando o que você considera elegância, somos apenas viciados em tentar morar num mundo que se diz comportado, faz tudo de modo complicado, simplifica só o que deveria ser alastrado, e abandona aqueles, que nem entendem direito pelo que passam, entendem mal as frases que começam com “façam”, mas ainda tentam acreditar na categoria “abençoado”, acabar esta caminhada em algum momento, e finalmente encontrar alguém que carregue a verdade, e se ponha ao seu lado.

7 comentários:

Saulo Lopes disse...

Não entendi muito o texto,rsrs, mais gostei do teu blog


Muito bom o teu blog.

Visite-me se o meu e fique a vontade pra comentar :)

http://saulolopes.blogspot.com

Abraço

C. disse...

Ótimo texto!

www.teoria-do-playmobil.blogspot.com

Jay e Alê disse...

Manin,

Quanto tempo vc não passeava no Ká entre nós! Bom ter vc por lá outra vez. Eu concordo com vc.
E sobre seu post legal, nós temos essa mania de complicar o simples, ou simplificar ainda mais que não é necessário, corremos atrás de verdades, esperamos que alguém se ponha ao nosso lado, por medo ou segurança, mas muitas vezes nos falta o respeito e a seriedade necessária para que as coisas ganhem sua beleza natural.
Grande abraço.
Te vejo.
Jay

Marcelo Novais disse...

Essa manina de complicar tudo q naum eh complicado q complica tudo entendeu?rsrs
fuiz!

Marcelo A. disse...

É a vida, né? E a gente insiste em complicar as coisas... Descomplicar é a palavra de ordem! Por uma vida menos burocrática já!

Abração!

www.marcelo-antunes.blogspot.com

Danilo Castro disse...

Ninguém sabe onde se delimitam as dimensões entre realidade e imaginação no que escrevemos...

Quanto mais a gente tenta se conhecer, mais a gente se perde... É uma fuga, mas por um labirinto.

Inforblog disse...

Opa mano, bom testar aqui denovo.
O blog está cada vez melhor.
Abraço@!